Vítimas de assédio precisam se sentir acolhidas ao denunciar

Para jornalista focada em direitos da mulher, maior dificuldade é ser respeitada por quem recebe as denúncias

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn2Print this pageEmail

Casos de assédio no transporte público crescem: no Metrô de São Paulo, movimentos feministas e campanhas de comunicação incentivam denúncias de assédio para barrar essas ocorrências – Foto: Marcos Santos / USP Imagens

Os casos de assédio sexual em ônibus de São Paulo e Rio de Janeiro, ocorridos na semana passada, trouxeram à tona um problema recorrente no cotidiano da mulher brasileira: o assédio no transporte público.

Segundo dados obtidos pelo jornal  O Estado de S. Paulo, as denúncias de assédio sexual em ônibus, linhas de trem e de Metrô aumentaram de 23 para 219, entre 2013 e 2016.

Para comentar o caso, a reportagem conversou com Nana Soares, formada em Jornalismo pela USP e uma das idealizadoras da campanha Você não está sozinha, primeira ação feita pelo Metrô contra o assédio sexual.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn2Print this pageEmail

Textos relacionados