Vida e obra do seringueiro e ambientalista Chico Mendes na visão de Nilo Diniz e Ângela Mendes

O ambientalista foi mais reconhecido pela mídia e organismos internacionais, em sua luta política pelos direitos dos seringueiros e em seu ativismo ambiental, do que pela imprensa brasileira

Nesta edição do Diversidade em Ciência, o escritor Nilo Diniz e a gestora ambiental Ângela Mendes falam sobre a vida e a obra do seringueiro, sindicalista, ativista e ambientalista Chico Mendes, assassinado em 1988, em Xapuri, Acre.

O escritor Nilo Diniz é autor do livro Chico Mendes, um grito no ouvido do mundo: como a imprensa cobriu a luta dos seringueiros, lançado em novembro de 2019 pela Editora Appris. A gestora ambiental Ângela Mendes é filha de Chico Mendes e coordenadora do Comitê Chico Mendes.

Além da  trajetória de Chico Mendes, os entrevistados falam de como ele foi mais reconhecido pela mídia e organismos internacionais, em sua luta política pelos direitos dos seringueiros e em seu ativismo ambiental, do que pela imprensa brasileira. “O assassinato de Chico Mendes foi noticiado pelo The New York Times e muitos jornalistas brasileiros sequer sabiam quem era o seringueiro, que teve sua morte dada em destaque pela imprensa internacional”, afirma Nilo Diniz.


Diversidade em Ciência

O Diversidade em Ciência é um programa de divulgação científica voltado para as ciências das diversidades e direitos humanos, e vai ao ar toda segunda-feira, às 13 horas, com reapresentações às terças-feiras, às duas horas da manhã, e aos sábados, às 14 horas, com direção e apresentação do jornalista e professor da ECA-USP e membro da Comissão de Direitos Humanos da USP, Ricardo Alexino Ferreira, e operação de áudio de João Carlos Megale.

O Diversidade em Ciência é gravado nos estúdios do Departamento de Comunicações e Artes/Educomunicação, da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP).

A Rádio USP-FM pode ser sintonizada em 93,7 MHz/SP ou pelo link http://jornal.usp.br/radio/

.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.