Veto a projeto de lei sobre tratamento de câncer: “É injustificável sob todos os aspectos”

Segundo Fernando Aith, a lei de 1998 que institui os planos de saúde no Brasil já determina que eles ofereçam a continuidade do tratamento de câncer dos seus clientes

 05/08/2021 - Publicado há 4 meses
Foto: Freepik

 

O Congresso Nacional se mobiliza após o presidente Jair Bolsonaro vetar um projeto de lei sobre o acesso a remédios para câncer. A medida foi aprovada por ampla maioria na Câmara e no Senado e busca tornar obrigatório que os planos de saúde financiem esses remédios. O veto do governo se deu sob a justificativa de que o projeto causa um desequilíbrio econômico e financeiro nos planos.

Fernando Aith – Foto: Reprodução/Youtube

Na avaliação de Fernando Aith, do Centro de Direito em Saúde da USP e professor das faculdades de Saúde Pública (FSP) e Direito (FD) da USP, esse veto “é injustificável sob todos os aspectos”. Segundo Aith, a lei de 1998 que institui os planos de saúde no Brasil já determina que eles ofereçam a continuidade do tratamento de câncer dos seus clientes. 

Entretanto, ao contrário do Sistema Único de Saúde (SUS), os planos não oferecem atenção farmacêutica fora do ambiente hospitalar. “Isso vem sendo judicializado há mais de um década, o Judiciário é extremamente protetor dos pacientes e é quase unânime a jurisprudência no sentido de obrigar os planos a oferecer a continuidade do tratamento medicamentoso mesmo quando o paciente passa para o tratamento domiciliar”, conta ao Jornal da USP no Ar 1ª Edição.

Caso contrário, quem assume essa responsabilidade acaba sendo o SUS, que pagará por um tratamento que deveria ser custeado pelos planos de saúde. “Alegar desequilíbrio econômico e financeiro é desconhecer o setor”, afirma Aith.

Os planos já vêm sendo obrigados a cobrir esses tratamentos por conta de ações judiciais, mas o Congresso buscou consolidar isso em lei. É possível que o veto seja revertido. Se isso não acontecer, a discussão continua judicializada, o que cria uma desigualdade entre as pessoas com recursos para recorrer na justiça, que receberão o tratamento, e as pessoas que não têm essa condição e precisarão ser atendidas pelo SUS.

 

Campanha promovida pelo Sistema Único de Saúde no Estado de Minas Gerais de Enfrentamento ao Câncer – Foto: Secretaria de Saúde

 

Segundo o professor, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) não regula os preços e deixa os pacientes à mercê do mercado. “Esse veto do governo não só é usado para supostamente evitar um desequilíbrio financeiro nos planos, mas na verdade abre uma porta escancarada para o enriquecimento ilícito dos planos de saúde”, afirma, ao dizer que eles receberão o pagamento da mensalidade dos clientes que na verdade realizam o tratamento pelo SUS.

“É simplesmente tirar os direitos garantidos pela lei de 1998 numa lei ultraliberal de liberar o mercado para fazer o que bem entender, sem qualquer compromisso com o bem-estar da população e com o equilíbrio na nossa sociedade”, conclui.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.