Vegetação nativa em propriedades privadas gera R$ 6 trilhões por ano

Reservas Legais contribuem para maior produtividade agrícola, explica Jean Paul Metzger

jorusp

Os serviços ambientais prestados pela cobertura de vegetação nativa existente em Reservas Legais de propriedades privadas do Brasil são da ordem de R$ 6 trilhões. Esse é o valor atribuído aos benefícios econômicos, tais como captação de água doce e regulação climática, proporcionados por florestas e outros ecossistemas naturais, estimam pesquisadores da Associação Brasileira de Ciência Ecológica e Conservação (Abeco) e da Coalizão Ciência e Sociedade – grupo de cientistas que monitora questões socioambientais e políticas públicas no Brasil. O Jornal da USP no Ar conversa com professor Jean Paul Metzger, do Departamento de Ecologia do Instituto de Biociências (IB) da USP, um dos responsáveis pelo estudo.

“Reserva Legal é um instrumento definido pelo código florestal, atualizado em 2012, com o nome de Lei de Proteção da Vegetação Nativa”, explica Metzger, e acrescenta: “Dentro dessa lei é estabelecido que cada proprietário tem que proteger uma porcentagem de sua propriedade com vegetação nativa”. Justamente essas áreas protegidas que são as chamadas Reservas Legais.

O professor esclarece que essa porcentagem muda de acordo com a região, começando em 20% e podendo chegar a 80%, como as Reservas Legais da Amazônia. Motivados pelas ofensivas que a Lei de Proteção da Vegetação Nativa vêm sofrendo, sobretudo por um setor predatório do agronegócio, cientistas calcularam o tamanho de sua importância. “Procuramos mostrar nesse estudo é que mais que um passivo, as Reservas Legais provêm, na verdade, uma série de benefícios”, comenta Jean Paul Metzger.

Além de protegerem a biodiversidade, as Reservas Legais são importantes para o próprio setor agropecuário, que depende, por exemplo, de serviços de polinização, controle de pragas, regulação climática e da provisão de água. A vegetação nativa contribui para o clima global, ao manter carbono estocado no chão, e para climas regionais, ao interagir com a atmosfera. A captação de água para agricultura, para consumo humano e para abastecer hidrelétricas também depende diretamente da extensão de cobertura vegetal natural.

“Quando consideramos o rol de benefícios que essas áreas podem prover, tanto para o proprietário quanto para a sociedade, começamos a entender que esses benefícios não são pequenos”, esclarece o professor, e continua: “Eles são altos! Na verdade, em alguns casos você tem mais benefícios mantendo a Reserva Legal do que retirando e avançando com o cultivo da área”.

A presença de uma área com vegetação nativa adjacente a outra área de cultivo influencia diretamente na produtividade. O professor Metzger comenta que  a produção de café pode aumentar em até 30%, caso a lavoura esteja próxima a Reservas Legais. “Uma vegetação nativa adjacente reduz os investimentos em termos de insumos, de pesticidas, de fertilizantes”, finaliza.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP, Faculdade de Medicina e Instituto de Estudos Avançados. Busca aprofundar temas da atualidade de maior repercussão, além de apresentar pesquisas, grupos de estudos e especialistas da Universidade de São Paulo.
No ar de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.