Vacinação contra HPV ainda é rejeitada

Principal motivo, segundo especialistas, é a desinformação da população

  • 135
  •  
  •  
  •  
  •  
Foto: Juliane Guez/ PMPA/Fotos Públicas

Segundo dados do Ministério da Saúde, o HPV (vírus do papiloma humano, do inglês human papiloma virus) possui mais de 150 genótipos, sendo 12 deles cancerígenos. Para preveni-lo, em 2015 o Brasil lançou sua primeira campanha de vacinação contra o vírus, disponível a princípio para meninas na faixa dos 9 aos 14 anos de idade. Atualmente, as vacinas também são aplicadas em meninos com idade de 11 a 14 anos.

Por serem aplicadas em uma idade menor, a professora e especialista em Saúde Pública pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto (EERP) da USP, Marta Angélica Iossi da Silva, acredita que muitos pais têm medo de vacinar os filhos por acreditarem que isso possa influenciar no início precoce da atividade sexual.

A professora alerta para a necessidade de novas estratégias de abordagem do público-alvo para a vacinação e a importância da informação para melhorar essa relação com a vacina, que é benéfica e segura.

Ouça a entrevista acima.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  • 135
  •  
  •  
  •  
  •