Vacinação contra covid mostra resultados na redução de óbitos e de internações

Segundo o professor Paulo Lotufo, apesar da perspectiva de queda ser um indício de efetividade da vacinação, ainda serão necessários cuidados devido ao risco das variantes

 06/07/2021 - Publicado há 7 meses
Um dos fatores que contribuíram para a queda foi a priorização que os idosos tiveram no plano de vacinação – Foto: Cristine Rochol/PMPA

Há uma queda na média geral de mortes por covid-19 no Brasil. O número de internações e óbitos, especialmente no grupo dos idosos, desacelerou nos últimos meses. Os números refletem os resultados do plano de vacinação, iniciado há cerca de seis meses. A imunização da população começa a apontar indícios de que está fazendo efeito na melhoria dos indicadores no Brasil, mas até que ponto?

“Quando observamos os dados de mortalidade, principalmente no município de São Paulo, onde existe um acompanhamento bastante rigoroso por data de ocorrência, nós vemos que começou a cair, primeiro entre os acima de 80 anos, depois entre os 70 e 79 e agora entre 60 e 69 anos”, contou ao Jornal da USP no Ar 1ª Edição o epidemiologista e professor Paulo Lotufo, do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina da USP. Segundo ele, no início de janeiro, cerca de 80% das mortes relacionadas à covid ocorriam com pessoas acima de 70 anos. Hoje, essa maioria ocorre com pessoas abaixo de 60 anos. De acordo com o professor, essa queda se dá devido à priorização que os idosos tiveram no plano de vacinação, cujo objetivo primário era reduzir a mortalidade da doença. 

De acordo com Lotufo, a queda no número de internações, por mostrar a real situação da pandemia, é um indicativo da importância da vacinação. “Estamos vendo que realmente está tendo uma queda aqui em São Paulo, tanto nos hospitais particulares quanto nos hospitais públicos”, comenta o professor. Ele complementa, colocando que isso leva a crer que o impacto da vacina é importante, mesmo com o relaxamento das atitudes de distanciamento social frente às novas variantes do vírus. 

Lotufo destaca a especificidade da vacinação, devido ao número de informações em torno da vacina. De acordo com ele, acreditando nas informações que são fornecidas sobre a produção e chegada de vacinas, é possível projetar que, em meados de setembro, todas as pessoas acima de 18 anos receberam a primeira dose. Ele ressalta que, mesmo assim, ainda serão necessários cuidados em relação à transmissão da doença, pois existe a possibilidade das variantes. “Nenhuma vacina é 100%, existe a chance de transmissão”, completa.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 

 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.