Uso inadequado de melatonina diminui expectativa de vida

Para professor da USP, a população tem uma noção errônea sobre o hormônio, conhecido por induzir ao sono

A melatonina é um hormônio responsável por regular o metabolismo durante a noite, preparando o organismo para o dia seguinte. Devido à sua função, é administrada medicinalmente em pacientes com alguns distúrbios do sono. Pesquisas visando ao uso em outras áreas também existem, como, por exemplo, no tratamento da diabete; porém, elas ainda possuem poucas evidências clínicas. No entanto, o professor de Fisiologia, José Cipolla Neto, do Instituto de Ciências Biomédicas da USP, conta que muitas pessoas utilizam o medicamento de forma inadequada.

Como não existe registro da melatonina como medicamento, ela não está sob o controle do Sistema de Vigilância Sanitária. Aliado a isso, algumas importadoras conseguiram uma liminar para que a substância fosse comercializada em farmácias de manipulação, sem a necessidade de prescrição médica. Com a venda facilitada e baseada em uma noção errônea de que o hormônio é inócuo, parte da população começou a adquirir o produto para fins inadequados. Entre eles, a busca pelo emagrecimento. O professor alerta que o uso indevido e regular pode,  em um primeiro momento, desorganizar o organismo e causar sonolência em período diurno. Em último caso, a expectativa de vida da pessoa também é afetada.

Jornal da USP, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados, Faculdade de Medicina e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.

Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

Você pode ouvir a entrevista completa no player acima.

Textos relacionados