Uso de antibióticos na gestação pode causar malformações no feto

Medicamentos indevidamente administrados durante a gravidez e a lactação colocam mãe e bebê em risco

O primeiro boletim Pílula Farmacêutica desta semana fala sobre a administração e o uso correto de antibióticos durante a gestação e a lactação.

Cerca de 3% das malformações fetais são provocadas pelo uso indevido de remédios durante a gravidez, principalmente quando estes são administrados no primeiro trimestre, fase em que o feto está em formação.

Após casos de nascimento de crianças com malformações congênitas provenientes do uso de talidomida, usualmente utilizado como medicamento sedativo e anti-inflamatório, indicado para melhora de enjoos durante a gestação, houve um aumento na atenção e cuidado quanto ao uso de antibióticos, um dos tipos de medicamentos mais usados no mundo.

Existem antibióticos que não podem ser tomados, mas, apesar da apreensão, nem toda medicação tomada durante a gestação é necessariamente perigosa. Em muitas situações, como nos casos de infecções urinárias, por exemplo, os antibióticos são necessários e menos danosos do que a doença, tanto para o bem-estar da mãe quanto do feto.

O risco de tomar um antibiótico sem consultar o médico e sem ter conhecimento sobre sua segurança é alto, podendo acarretar danos ao bebê, como deficiências físicas, surdez ou problemas nos rins. Por isso, estudos rigorosos são feitos para garantir que o antibiótico tenha seu risco conhecido e o médico possa prescrever o mais seguro e adequado.

Ouça acima, na íntegra, o boletim Pílula Farmacêutica.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.