Tratamentos redirecionados devem ser prescritos com cuidado

No tratamento estético os efeitos colaterais devem ser observados

Na coluna Fique de Olho desta semana, o professor Eduardo Rocha explica o que são os tratamentos redirecionados.

Rocha lembra que existem remédios, técnicas cirúrgicas, próteses e outros recursos desenvolvidos para o tratamento de problemas médicos que, num paciente, podem produzir um efeito distinto, dando a possibilidade do tratamento ser redirecionado também para outro objetivo.

Segundo Rocha, o exemplo mais clássico, atualmente, é a aplicação de toxina botulínica, desenvolvida há décadas com o objetivo de tratar os espasmos das pálpebras. “Já nos primeiros casos foi observado nos pacientes a ausência de marcas na pele e de expressão, e hoje em dia é popular e usada como forma de rejuvenescimento facial.” 

Por outro lado, o professor alerta para esse redirecionamento, pois para esses remédios, técnicas, próteses e recursos terem sido apresentados, com um determinado propósito, as pesquisas calcularam apenas os riscos de seu objetivo inicial; quando direcionado para tratamento estético, por exemplo, o controle dos efeitos colaterais pode ser mais difícil.

Ouça no link acima a íntegra da coluna Fique de Olho.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.