Transtornos mentais podem ter maior recorrência pós-pandemia

Segundo André Russowsky Brunoni, em situações de muito estresse, a mente entra em estado de sobrevivência, mas, quando a situação melhora, pode ocorrer a repercussão do abalo emocional represado

 20/10/2020 - Publicado há 1 ano

Estudo Longitudinal de Saúde do Adulto (Elsa-Brasil) realizado na USP avalia a saúde mental de 2 mil participantes durante a pandemia. O objetivo é observar quais impactos mentais o distanciamento social tem causado, como o surgimento ou a piora da ansiedade e da depressão, por exemplo. As avaliações ocorrem de forma virtual, por meio de questionários, e são periódicas.

Em entrevista ao Jornal da USP no Ar, o professor André Russowsky Brunoni, do Instituto de Psiquiatria (IPq) da Faculdade de Medicina da USP, explica que o estudo é dividido em quatro ondas e abrange o período da pandemia desde a rigidez inicial do distanciamento social até as etapas de flexibilização. Ele informa que houve um estudo parecido feito na Inglaterra com 30 mil participantes, cujo resultado apontou uma diminuição da depressão e da ansiedade ao invés de aumento, o que surpreendeu os pesquisadores, mas “uma das explicações é que o uso de tecnologia permite que as pessoas continuem conectadas e não fiquem com uma sensação de isolamento tão grande”. Os questionários do Elsa-Brasil também abordam o uso de mídias sociais, recursos digitais e adesão à quarentena. 

O especialista informa que as doenças mentais demoram mais tempo para se manifestarem, portanto, é possível que uma onda de transtornos mentais ainda aconteça. “Quando estamos numa situação de muito estresse, como uma guerra ou uma pandemia, é como se nossa mente, nossa psique, entrasse num modo de sobrevivência e, depois que passa e as coisas começam a melhorar um pouco, vão aparecendo os transtornos mentais como repercussão do que ficou jogado para debaixo do tapete.”

Em relação ao estudo brasileiro, os dados sobre diminuição dos transtornos mentais não são conclusivos, porque precisam ser comparados com informações de profissionais que atuam em consultório e relatam, pelo contrário, um possível aumento de casos de depressão e ansiedade. Conforme Russowsky Brunoni, cerca de 20% da população possui algum tipo de transtorno mental e, devido à pandemia, teve piora no estado de saúde: “Os 20% que têm [transtorno mental] de fato pioraram, portanto, quem tem depressão teve a doença piorada, quem tem dependência química piorou o uso de drogas e assim por diante. Mas os 80% restantes [que não têm transtorno mental] não parecem ter tido piora”. 

Para saber mais sobre o estudo, ouça a entrevista na íntegra pelo player acima.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.