Transporte público reduzido na pandemia provoca queda na arrecadação e sobrecarrega Estado

Ônibus parados e linhas com baixa circulação provocaram aglomeração, mesmo com menor número de passageiros; segundo Mauro Zilbovicius, “o Estado gasta menos com o serviço, economiza para os ônibus, mas pagará mais na saúde”

 25/05/2021 - Publicado há 5 meses
A redução de passageiros provoca queda significativa na receita das empresas – Foto: Fotos públicas

 

A chegada da pandemia da covid-19 no Brasil, juntamente com as medidas de restrição de circulação, fez a demanda por transporte público cair. Dados da Associação Nacional de Empresas de Transportes Urbanos mostram que, em fevereiro deste ano, o número de passageiros nos ônibus estava em média 41% menor do que antes da pandemia. Em março de 2020, essa queda chegou a 80%. Mas, apesar de todas as restrições, há pessoas que precisam continuar se deslocando e fazendo uso do transporte. 

O professor Mauro Zilbovicius, do Departamento de Engenharia de Produção da Escola Politécnica da USP, participou de uma audiência pública, na Câmara dos Deputados, sobre transporte e pandemia e falou em entrevista ao Jornal da USP no Ar 1ª Edição, destacando que a redução de passageiros provoca, também, queda significativa na receita das empresas. “Praticamente quase todos os municípios do Brasil têm transporte público, e a enorme maioria deles é remunerada, exclusivamente, pela tarifa paga pelo passageiro.”

Zilbovicius destaca que, durante a pandemia, os ônibus parados e linhas não operadas ou com baixa frequência provocaram aglomeração, mesmo sendo o número de passageiros bem menor. “O Estado gasta menos com o serviço, economiza para os ônibus, mas pagará mais na saúde, porque terá mais pessoas doentes. Então, não vale a pena. Quem planeja, pensou, simplesmente, assim: menos passageiros, menos ônibus, ou menos trens”, o que, segundo ele, é um grande problema, principalmente na terceira onda da covid-19 que se aproxima.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.