Trânsito mata mais que violência criminal

Houve aumento de 20% nas mortes do trânsito, ultrapassando a marca trágica de 40 mil fatalidades por ano

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O professor Paulo Saldiva fala hoje, em sua coluna Saúde e Meio Ambiente, que o número de mortes por acidentes de trânsito voltou a aumentar e as taxas ainda são muito altas.

“Estamos perdendo de 30 a 35 mil pessoas por ano, e geralmente pessoas que estão em pleno gozo de sua saúde. Elas morrem pela catástrofe, pela guerra que existe surda, contínua, porém fatal, nas ruas e estradas do Brasil. Vínhamos experimentando uma queda da taxa ajustada de mortalidade por acidentes de trânsito, ou seja, estávamos caminhando na direção certa e caímos pouco a pouco, ano a ano, o número de mortes, diminuindo o número de vítimas; no entanto, a partir de 2017, começamos a andar para trás. Foi quando houve um aumento de 20% das mortes e voltamos a ultrapassar a marca trágica de 40 mil fatalidades por ano no Brasil”, afirma.

Saldiva afirma, ainda, que o trânsito mata mais do que a violência criminal. “Enquanto temos olhos para a criminalidade e nos revoltamos pela perda de vida por balas perdidas, por latrocínios, por barbaridades criminais, não temos a mesma severidade e visão crítica no tocante à mortalidade no trânsito.”

Segundo Saldiva, o que pode ser feito é endurecer a legislação brasileira referente a acidentes de trânsito, melhorar a sinalização, coibir o uso de álcool, enquanto ao cidadão cabe tomar consciência da responsabilidade que tem pela vida do outro quando está dirigindo.

Ouça a coluna na íntegra no áudio acima.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados