Transexualidade não é mais considerada transtorno mental

Isso pode reduzir estigmas, preconceitos e desqualificar argumentações de cura gay

  • 7
  •  
  •  
  •  
  •  

 

Na coluna desta semana, Ricardo Alexino Ferreira fala sobre a nova edição da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde, chamada de CID-11, regulada pela OMS, que considera a transexualidade não mais transtorno, mas condições relacionadas à saúde sexual ou incongruência de gênero.

O professor aponta o papel transformador da CID. Segundo ele, as mudanças e atualizações na CID são constantes e transformadoras, apesar de lentas. “Para se ter ideia, o termo ‘homossexualismo’, que hoje é considerado impróprio, somente foi retirado de classificação de doença em 1990. Desde então, houve reconhecimento que as pessoas podem ter orientações sexuais diversas e os termos mais corretos passaram a ser homossexualidade ou homoafetividade”, afirma Alexino.

Os especialistas consideram que os protocolos de atendimento aos transexuais não serão alterados, mas o fato da transexualidade não ser mais tida como transtorno poderá reduzir os estigmas e preconceitos, impossibilitando argumentações de cura gay.

Ouça, no link acima, a íntegra da coluna Diversidades.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  • 7
  •  
  •  
  •  
  •