Trabalho com jornada reduzida é uma tendência que não abrange todas as profissões

Segundo Ana Cristina Limongi-França, para estabelecer a jornada reduzida é preciso compreender a natureza do trabalho e as particularidades. Nem todas as profissões contemplam a flexibilização

Por
Entre as vantagens da redução da jornada de trabalho estão o maior convívio social e a limitação da quantidade de trabalho – Foto: Raul Pacheco Vega

 

A redução do tempo de trabalho é discutida por empresas ao redor do mundo. A Unilever, da Nova Zelândia, confirmou que testará reduzir a jornada de um grupo de empregados para apenas quatro dias por semana e seis horas por dia. O objetivo é modernizar as relações de trabalho na empresa, além de ser uma maneira de buscar flexibilidade em meio à pandemia. A iniciativa também teve adesão de algumas empresas do Reino Unido, Dinamarca e Estados Unidos. 

Segundo Ana Cristina Limongi-França, do Departamento de Administração da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP, a redução da jornada de trabalho é uma tendência, dá continuidade à revolução industrial e marca uma nova etapa das relações trabalhistas. “Eu diria que é, sim, uma tendência, mas é uma nova onda. A cada ciclo de melhoria são atingidas, primeiramente, as formas de trabalhar, os processos produtivos, as relações de trabalho e também o conhecimento da psicossomática no trabalho, que é o que vivemos nessa nova onda.”

Entre as vantagens da redução da jornada de trabalho estão o maior convívio social, a limitação da quantidade de trabalho que pode agredir o prestador de serviço, a possibilidade de investir em qualificação e o aumento dos postos de trabalho, informa Antônio Rodrigues de Freitas Junior, professor de Direito do Trabalho e Direitos Humanos da Faculdade de Direito da USP. “Na medida em que o empregador, tendo a limitação de trabalho para cada empregado, é levado economicamente a buscar, se necessário, mais trabalho através da contratação de novos trabalhadores e num momento de crise, de esgotamento da capacidade da economia de gerar novos postos de trabalho, essas iniciativas são muito bem-vindas.”

A redução do tempo de trabalho não deverá atingir todas as funções. O setor de serviços deverá ser o mais atingido. Antes de estabelecer a jornada reduzida, é preciso compreender a natureza do trabalho, as particularidades e definir as diretrizes para flexibilizar de acordo com o tipo de trabalho, explica Ana Cristina. “É preciso entender a natureza do trabalho, o sentido do trabalho e os fatores de risco tanto físico quanto mental. Não é para todo mundo”, finaliza.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.