Tipo de depressão crônica, distimia requer diagnóstico adequado

“É importante a persistência no tratamento”, declara Fernando Fernandes sobre esse tipo de depressão, caracterizado por sua duração e persistência

 21/09/2022 - Publicado há 2 meses
Diante de variações bruscas de humor com picos alternados de emoções, uma avaliação profissional faz-se necessária – Foto: Engin Akyurt – Pixabay

A depressão atinge as pessoas com gravidades e recorrências variadas. Também denominada como transtorno depressivo persistente, a distimia tem um diagnóstico difícil e afeta 6% da população mundial, segundo especialistas. No Setembro Amarelo, mês da campanha de prevenção ao suicídio, é relevante diferir as doenças psicológicas. Fernando Fernandes, psiquiatra do Programa de Transtornos Afetivos do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, descreve que a distimia é determinada por sua duração de persistência como quadro depressivo na vida do indivíduo: “O critério é o tempo. A gente toma como referência um período de dois anos”.

Fernando Fernandes – Foto: Arquivo pessoal

A diferenciação entre traços de personalidade e o transtorno mental ocorre “justamente pelo fato dos sintomas [da depressão] serem crônicos, muitas vezes acabam se confundindo”, explica o psiquiatra. O transtorno é dividido em dois subtipos: um de desenvolvimento anterior aos 21 anos e outro posterior a essa idade. Enquanto o primeiro pode ser confundido com aspectos individuais, o segundo não pode ser considerado como parte da personalidade, afirma Fernandes: “Traços de personalidade começam a ser mais bem discernidos na adolescência e cristalizam no início da vida adulta”. 

Diagnóstico e tratamento

Para evitar que as pessoas passem anos sofrendo com os sintomas, ele reitera a importância de um diagnóstico adequado. Ele considera que “o primeiro grande obstáculo para o tratamento é o diagnóstico”, tendo em vista que os sintomas crônicos são mais difíceis de serem tratados. Diante de variações bruscas de humor com picos alternados de emoções, requer-se uma avaliação profissional. 

Por isso, o psiquiatra recomenda que as pessoas busquem tratamento quando os sintomas estão mais brandos e que sejam difundidos conhecimentos a respeito dos transtornos de humor. “Tanto medicamento quanto terapia são necessários e se complementam”, informa ele sobre o tratamento do transtorno depressivo persistente. O estilo de vida, por meio de rotinas saudáveis, é outra indicação de Fernandes.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.