Maioria dos tremores ocorridos no Brasil não é percebida pela população

Especialista esclarece sobre o fenômeno e sobre os motivos que levaram o tremor a ser sentido no Brasil

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Na manhã da última segunda-feira (2), tremores foram sentidos em algumas localidades das regiões Centro-Oeste, Sul e Sudeste do Brasil, fenômeno que ocasionou, inclusive, a evacuação de prédios na Avenida Paulista, em São Paulo, e em Brasília. Tal acontecimento é fruto dos reflexos de um terremoto acontecido na Bolívia que, segundo o USGS, o serviço geológico dos EUA, teve seu epicentro no sul boliviano, com uma profundidade de 557 km e grau de magnitude 6.8, na escala Richter. Mesmo sendo de magnitude considerada intermediária, os tremores foram sentidos no norte da Bolívia e no Brasil.

Foto: José Cruz / Agência Brasil

Segundo o professor Bruno Collaço, pesquisador do Centro de Sismologia da USP, tremores como esse já aconteceram no passado e não são tão incomuns como pensamos. O especialista esclarece que a maioria dos tremores ocorridos em solo brasileiro não é sentida pela população, e que o tremor originado na Bolívia, além de ter uma magnitude considerável, foi sentido em áreas onde tanto a localização quanto a altitude propiciavam esse fenômeno.

Em termos de segurança, o professor ressalta que não existem grandes riscos às estruturas e à população, além de indicar a plataforma “Sentiu aí?”, onde a população pode registrar seus depoimentos acerca de tremores sentidos e ajudar os sismólogos a mapear esse fenômeno.

A plataforma pode ser acessada tanto no site do Centro de Sismologia da USP quanto no celular, através do aplicativo Sismo USP, disponível para Android e iOS. Veja neste link a matéria que o Jornal da USP no Ar fez sobre esse aplicativo no último mês de dezembro.

.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados