Tentativas de aprofundar o nacionalismo não resolvem problemas

Professor da USP utiliza países do Brics para discutir os perigos à democracia que podem surgir por via democrática

jorusp

Montagem sobre foto de Jim Makos/Flickr/CC

Desde a crise econômica mundial de 2008, desencadeada pelo estouro da bolha do sistema imobiliário dos EUA, especialistas vêm promovendo análises sobre o avanço do autoritarismo nos países em desenvolvimento. Essas nações, que por muitos anos foram consideradas, de certa forma, a esperança para o desenvolvimento econômico internacional, têm enfrentado recentemente imensos desafios na solução de problemas sociais por vias democráticas, em particular a desigualdade e crise econômica, afirma o professor Ruy Braga, da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP.

“A forma como a democracia está se reproduzindo nesses países, a forma como as decisões são tomadas nesse sistema estão ameaçadas tanto pelo avanço do nacionalismo quanto por formas ressignificadas de autoritarismo político”, afirma.

A grande preocupação a se pensar são os meandros internos ao sistema democrático, que podem levar a situações autoritárias. O professor toma como exemplo a Índia e a África do Sul, que passaram recentemente pelo processo eleitoral, mas apesar disso o quadro geral do futuro da democracia e das decisões a serem tomadas via representação democrática “parecem bastante sombrios”.

No caso indiano, recentemente o Partido do Povo Indiano (BJP, na sigla em inglês) obteve nas eleições uma maioria parlamentar e conseguiu formar uma coalizão muito vencedora e popular. No entanto, Ruy Braga aponta que devemos levar em consideração alguns aspectos, como o conteúdo da política que está sendo levado adiante pelo BJP, que no caso é fortemente nacionalista e com evidentes traços autoritários. Desse modo, a maioria religiosa da Índia, os hinduístas, estão efetivamente pressionando minorias étnicas e religiosas. Isso significa que, através das eleições democráticas, se produz um efeito antidemocrático. “A democracia não é apenas, pura e simplesmente, a imposição das vontades das maiorias, mas também, fundamentalmente, o respeito e resguardo aos direitos das minorias. Isso está claramente ameaçado”, complementa Braga.

O professor pontua que as recentes tentativas de se aprofundar o nacionalismo acabaram por gerar mais contradições do que propriamente resolver problemas. Ao tomar a China como exemplo, o país vem enfrentando, desde 2008, uma desaceleração no crescimento econômico que acabou por tensionar as relações políticas internas. O governo chinês tem tentado enfrentar essa situação com reforço do autoritarismo, como, por exemplo, a instalação de câmeras dentro das salas de aula para vigiar e criar um ambiente intimidador para a expressão de ideias.

Para aprofundar a discussão, a FFLCH está promovendo o seminário Podem democracias morrer democraticamente? – Novos autoritarismos no Sul global. Aberto ao público e gratuito, a programação do evento prossegue entre a terça e quarta-feira, dia 11 e 12 respectivamente, com a presença de convidados especiais.

Na terça-feira, às 18 horas, será discutida a conjuntura no Brasil, Índia e Filipinas, na sala 8 do Edifício de Filosofia e Ciências Sociais (Av. Luciano Gualberto, 315 – Cidade Universitária, São Paulo). Já na quarta-feira, no mesmo horário, o professor Boaventura de Sousa Santos, da Universidade de Coimbra, ministrará uma palestra respondendo à pergunta do título do evento e comentando como interpretar esse fenômeno, no Auditório Nicolau Sevcenko, no Edifício da Geografia e História (Av. Prof. Lineu Prestes, 338 – Cidade Universitária, São Paulo).


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP, Faculdade de Medicina e Instituto de Estudos Avançados. Busca aprofundar temas da atualidade de maior repercussão, além de apresentar pesquisas, grupos de estudos e especialistas da Universidade de São Paulo.
No ar de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •