Tecnologias aprimoram tratamento de insuficiência respiratória por covid-19

Carlos Roberto Carvalho fala sobre como o pulmão artificial, conhecido como ECMO, e o tomógrafo de impedância elétrica são usados para amenizar a inflamação pulmonar causada pela covid-19

Para casos mais graves de covid-19, duas tecnologias vêm se destacando: um pulmão artificial conhecido como ECMO e o tomógrafo de impedância –  Foto: sc.gov.br

Após mais de um ano de pandemia, pesquisadores e demais especialistas acumularam conhecimentos sobre o tema. Assim, surgem novos esforços da ciência para o combate à covid-19, doença causada pelo coronavírus. Para seus casos mais graves, duas tecnologias vêm se destacando: um pulmão artificial conhecido como ECMO e o tomógrafo de impedância, modelo desenvolvido em parceria com a Escola Politécnica.

Uma das características da covid-19 é a inflamação dos pulmões, o que acaba por deteriorar a entrada de oxigênio no sangue. Os tratamentos para essa insuficiência respiratória são graduais, indo desde a instalação de um cateter de oxigênio até a intubação do paciente. Caso a insuficiência persista a níveis críticos, o uso da ECMO é acionado. “A ECMO simula fora do corpo o que é o pulmão, é uma caixinha que simula o meu pulmão fora do corpo”, define Carlos Roberto Carvalho, pneumologista e diretor da UTI Respiratória do InCor, em entrevista ao programa Jornal da USP no Ar 1ª Edição, explicando que, simulando as membranas do pulmão, chamadas de alvéolos, o sangue é devolvido oxigenado ao corpo.

Se, de um lado, a ECMO é utilizada em casos mais graves, com níveis agudos de saturação, o tomógrafo de impedância pode ser usado em estágios anteriores. Partindo do princípio de condução de eletricidade pelo corpo, o tomógrafo de impedância (nome dado à oposição à passagem de elétrons), torna mais eficiente o tratamento de uma insuficiência. “Quando eu ponho a impedância elétrica, vejo quanto vai para o pulmão direito e quanto vai para o pulmão esquerdo, quanto vai para região anterior do tórax, quanto para região posterior. Quanto mais homogênea for essa distribuição do gás, melhor a troca gasosa. Com a impedância, eu consigo saber não somente quanto de ar está entrando, mas para onde esse ar está indo”, aponta o professor Carvalho.

Além disso, é importante ressaltar que a instalação de tecnologias como a ECMO ainda estão limitadas pelos altos custos que ela apresenta. Porém, estudos já apontam sua eficiência. O professor conta que, nos Estados Unidos, foi comprovado que a utilização do tomógrafo de impedância elétrica reduziu em 80% a necessidade de utilização da ECMO.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.