Tecnologia simplifica processos humanos e causa ansiedade, diz especialista

No mundo digital, a mente humana é movida por algoritmos, reduzindo realidade e processos humanos para que caibam nas possibilidades da tecnologia

 

Foto: Marcos Santos/USP Imagens

Alguma vez já sentiu que longe das redes sociais estaria desinformado? Passou pela necessidade de acompanhar constantemente seu feed de notícias? Teve ansiedade por não saber o que estava acontecendo no mundo virtual? Essa sensação é comum hoje em dia e foi analisada nos anos 2000 pelo estrategista de marketing norte-americano, Dan Herman, e ganhou o nome de Fear of Missing Out (FoMo) ou “medo de estar perdendo algo”. Segundo Herman, diante de várias opções, as pessoas desenvolvem medo de escolher e perder outras tantas possibilidade, medo que foi intensificado pela internet.

Para o pesquisador da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP) da USP, João Flávio de Almeida, o FoMo é um sintoma do novo modelo de consciência instaurado na sociedade. A consciência humana, argumenta Almeida, é constituída pela linguagem e moldada pela comunicação. Assim, o professor diz que, com as invenções tecnológicas e o mundo digital, a mente humana deixou de ser dona de seu próprio modo de agir e virou uma espécie de “funcionária de sua própria invenção”. 

Almeida vê uma inversão de valores. As tecnologias deveriam solucionar os problemas humanos, mas “nós estamos lenta e gradualmente terceirizando o nosso cognitivo, adequando e reduzindo todo tipo de realidade e de processos humanos para que caibam nas possibilidades das tecnologias”, afirma. 

A ideia de que a comunicação forja a consciência humana foi estudada pelo filósofo tcheco-brasileiro Vilém Flusser, no século 19. O filósofo mostra que a linguagem é capaz de levar ao futuro, mas alerta para os efeitos dessa relação com a tecnologia.

A sensação de estar perdendo algo quando estamos longe das redes sociais, segundo Almeida, se enquadra no novo tipo de consciência humana que é movida por algoritmos, como de uma rede social, acreditando ser premiada a cada nova publicação. “Se, no passado, o direito a privacidade era algo que a gente lutava para ter, hoje não. Hoje a punição é o anonimato”, afirma. 

Além do FoMo, Almeida acredita que o efeito da simplificação da consciência, no mundo digital, é responsável por uma geração “anti-intelectual” e pouco preocupada com as consequências desse tipo de relação com a tecnologia. Nesse ponto, o professor aponta ainda a irresponsabilidade das corporações tecnológicas que não pensam suas decisões. “Qual é a ética do mercado? Ver quem é que vai chegar primeiro?”, pergunta. 

A solução para quebrar esse ciclo, acredita o professor, é desligar o celular. “A atitude mais inteligente agora é frear esse discurso do progresso irrefletido, pelo menos para sabermos para que lado estamos indo. Depois que nós soubermos os efeitos, a gente permite caminhar. Então, eu sou da opinião que a solução é bem simples, ao mesmo tempo que ela é a mais difícil de todas”, finaliza. 

 

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.