Tecnologia do reconhecimento facial na segurança pública pode aprofundar racismo e misoginia

O tema será discutido durante o evento “As Implicações Sociais do Reconhecimento Facial: O Caso da Segurança Pública”, promovido pelo Instituto de Estudos Avançados (IEA)

 Publicado: 27/09/2021
Os algoritmos têm sido uma ferramenta tecnológica de reprodução do racismo que a gente já tem na nossa sociedade – Arte sobre imagem de Gerd Altmann/Pixabay

O reconhecimento facial tem sido adotado em diversos países. Entretanto, pesquisas apontam que esses sistemas apresentam maiores índices de erro quando se deparam com rostos de mulheres e negros. 

A mesa redonda As Implicações Sociais do Reconhecimento Facial: O Caso da Segurança Pública, promovida pelo Instituto de Estudos Avançados (IEA) da USP, discutirá o preparo da administração pública brasileira para utilizar esses sistemas sem contribuir com o aprofundamento do racismo e da misoginia. 

Rodrigo Brandão, mestre em Ciência Política e doutorando em Sociologia pela USP, pesquisador do Centro para Inteligência Artificial (C4IA) da USP e mediador do evento, explica ao Jornal da USP no Ar 1ª Edição que o reconhecimento facial é uma das aplicações da Inteligência Artificial, uma tecnologia mais ampla.

“Essas tecnologias podem ser treinadas para fazer esse reconhecimento de rostos humanos”, afirma. Segundo Brandão, esse treinamento é feito em bases de dados desbalanceadas. “A tecnologia tem um viés a reconhecer corretamente o rosto de um homem branco e a tendência a reconhecer incorretamente o rosto de uma mulher negra, por exemplo.” Esse fenômeno é chamado de viés algorítmico.

Quando essa tecnologia é utilizada em políticas públicas, o viés algorítmico traz implicações problemáticas. “Os algoritmos têm sido uma ferramenta tecnológica de reprodução do racismo que a gente já tem na nossa sociedade, principalmente nas forças de segurança”, afirma Pablo Nunes, coordenador adjunto do Centro de Estudos de Segurança e Cidadania (CESeC), um dos palestrantes. Nunes cita os casos de pessoas que chegaram a ser presas erroneamente por conta do reconhecimento facial ou fotográfico.

O evento é on-line, gratuito e acontece no próximo dia 28, terça-feira, a partir das 16h. A transmissão será feita no site iea.usp.br/aovivo. Mais informações estão disponíveis no endereço www.iea.usp.br/eventos/reconhecimento-facial-seguranca-publica


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.