Tecnologia cognitiva tenta imitar o cérebro humano

Computadores buscam cada vez mais ter um comportamento humano, fazendo com que as pessoas estabeleçam com eles uma relação de apego muito maior

Tecnologia cognitiva significa inteligência computacional e compreende as redes neurais, aprendizado de máquina, visão computacional, automação, robôs, processamento de linguagem natural. “São tecnologias da máquina tentando imitar o cérebro humano. Embora ainda não imite o cérebro humano com precisão, é cada vez mais potente”, analisa o professor Luli Radfahrer.

Essa tecnologia ajuda a pensar na ideia de máquinas. A partir do momento em que a máquina começa a cada vez mais ter um comportamento que parece humano, as pessoas passam a estabelecer com elas uma relação de apego muito maior, como o celular, por exemplo, em que a relação tem cada vez se estreitado mais. Para protegê-lo, colocam-se capa e película, paga-se seguro em caso de roubo ou perda. Radfahrer ressalta que outras máquinas, que não computadores, quando não funcionam mais, são jogadas fora – no caso do celular, não.

Ouça no link acima a íntegra da coluna Datacracia

O professor Luli Radfahrer falou com Mario Santi.


Datacracia
A coluna Datacracia, com o professor Luli Radfahrer, vai ao ar toda sexta-feira às 8h30, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e TV USP.

.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.