Supera Parque contribui para desenvolvimento tecnológico regional

Pequenas e grandes empresas podem usufruir de espaços compartilhados, laboratórios e anfiteatros

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

jorusp

No Momento USP Inovação desta semana, Verônica Lopes, da Agência USP de Inovação (Auspin), conversou com o gerente do Supera- Parque de Inovação e Tecnologia de Ribeirão Preto, Eduardo Cicconi. O parque surgiu em uma parceria entre a USP, a Prefeitura de Ribeirão Preto e o Governo do Estado de São Paulo, com o objetivo de contribuir para o desenvolvimento tecnológico e científico regional, apoiando a criação de empresas inovadoras de base tecnológica e gerando empregos qualificados. Segundo Cicconi, o Supera busca gerar discussões sobre empreendedorismo, inovação e desenvolvimento tecnológico e trazer uma aproximação maior entre a Universidade e as empresas, através de eventos que abordam essas temáticas. No ano passado, por exemplo, foram promovidos, em média, 3,5 eventos por semana.

Cicconi conta que o Supera auxilia empreendedores a transformarem suas ideias e pesquisas em negócios, a desenvolver empresas já existentes e a fortalecer cadeias produtivas da região, que se concentram nas áreas de saúde, tecnologia da informação e do polo cervejeiro. Existem dentro do parque diferentes fases de desenvolvimento dessas empresas: empresas nascentes entram na incubadora, empresas um pouco mais consolidadas no centro de negócios e grandes empresas podem concorrer para se instalarem em lotes. Elas pagam custos diferenciados, dependendo do estágio em que se encontram e de quais serviços pretendem utilizar. São oferecidos espaços compartilhados e individuais, laboratórios e espaços para eventos.

Supera Parque – Foto: Divulgação/Supera

Existem dentro do parque empresas que já receberam financiamento e possuem faturamento. Um exemplo é a Kidopi, que trabalha com um sistema de atendimento remoto a pacientes com doenças crônicas, utilizando Inteligência Artificial e Machine Learning para diminuir a reincidência de crises dos usuários após a saída do hospital. Outro exemplo é a NanoCore: empresa de biotecnologia que, hoje, após passar pela incubadora, possui uma planta industrial em Campinas de 1.500 m².

O Supera conta também com um Escritório Internacional, que dá apoio para empresas estrangeiras que desejem se instalar no Brasil. É oferecido um programa chamado SoftLanding, que permite que essas empresas passem seis meses testando o mercado nacional para seu produto enquanto se instalam. Além disso, o escritório busca parcerias internacionais com outras instituições e parques tecnológicos para que as empresas do Supera possam prospectar negócios fora do Brasil.

Às quintas-feiras são oferecidas visitas guiadas ao parque, que podem ser agendadas no telefone (016)3315-9900

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados