Situação do Sistema Cantareira é pior do que nos dois últimos anos

Má distribuição de chuvas afeta recarga do maior reservatório de água da Grande São Paulo, afirma especialista

jorusp
Apesar das chuvas mais intensas neste verão, o volume do Sistema Cantareira continua preocupando. Em fevereiro, houve um acréscimo de apenas 4% no nível do sistema, que está em 47,2%. Nos dois primeiros meses do ano, o acumulado foi de apenas 7,7%. A situação é pior do que nos dois anos anteriores. Por que isso está acontecendo? Para responder a pergunta, Jornal da USP no Ar conversou com Pedro Luiz Côrtes, livre-docente, professor da Escola de Comunicações e Artes (ECA) e do Programa de Pós-Graduação em Ciência Ambiental do Instituto de Energia e Ambiente (IEA) da USP.

O El Niño traz um pouco mais de chuva para a Região Metropolitana de São Paulo, mas ela é mal distribuída. O fenômeno também provoca um aumento de temperatura. “Isso não é bom para os mananciais, porque uma chuva intensa não permite sua infiltração no solo. Assim, a recarga do lençol freático e das represas fica prejudicada”, explica Côrtes.

Sistema Cantareira – Foto: Spressosp

Em comparação com a média histórica, está chovendo menos no Sistema Cantareira. Em novembro e dezembro, choveu 81% da média histórica para os meses. Da mesma forma, janeiro apresentou índice de apenas 84% da média histórica. Somente em fevereiro houve uma alta de 16% acima da média histórica. “Mesmo assim, ontem o nível do sistema estava em 47,2%, pior do que em 2018 na mesma época (52,4%) e em 2017 (62,8%).” E nos dois anos anteriores, o volume acumulado em janeiro e fevereiro foi maior do que neste ano.

“Se não houver um padrão regular de chuvas, pode ser que tenhamos dificuldades com o abastecimento”, alerta o professor. Tudo vai depender do clima no segundo semestre. “Não é possível ter uma previsão concreta. O El Niño termina por volta de abril e início de maio. Depois disso, acontece uma fase neutra em que não há El Niño nem La Niña, mas é claro que todo padrão de chuva de toda região metropolitana também depende de outros fenômenos associados, como o do Atlântico Sul”, explica. De acordo com ele, se chegarmos no período da estiagem com pouco mais de 50%, é possível que haja apenas 30% do nível de água do Sistema Cantareira no segundo semestre.

Durante a crise hídrica, especialistas comentaram que a recuperação do Sistema Cantareira poderia levar muitos anos. A situação atual mostra. “Apenas em 2017 a gente entra no período de estiagem com uma recarga boa. O pouco de água que está entrando no sistema não é adequado para mantê-lo.”

jorusp

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  • 3,2K
  •  
  •  
  •  
  •