Sexo e drogas sempre foram sinônimos do rock

Bebidas alcoólicas e maconha estão entre as drogas mais usadas pelos artistas e fãs

Nesta edição do programa História do Rock, o professor Mario De Vivo fala sobre a relação íntima do rock com o sexo e as drogas, coisas comuns tanto entre os artistas quanto entre os fãs do gênero.

O professor conta que o slogan “sexo, drogas e rock-and-roll” não escapou do olhar atento de fãs e críticos com a música Lucy in the sky with diamonds. “Apesar de John Lennon, um dos integrantes dos Beatles, afirmar que a letra não tinha nenhuma relação com o uso de drogas, analogias foram feitas da mesma forma com o LSD, e de maneira natural.”

Dentre as drogas mais conhecidas, o álcool sempre foi o que os artistas e a plateia mais consumiram. “Funcionou como um relaxante, bandas tinham no álcool uma forma de ajudar a encarar os milhares de fãs, assim como a maconha, segunda droga mais usada.”

Ouça no link acima a íntegra do programa História do Rock.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.