“Sexo com Parkinson: precisamos falar sobre isso”

Esse é o lema da campanha lançada pela Rede Amparo, projeto do CEDIP Neuromat, lançou uma nova campanha, Sexo com Parkinson a partir de conversas com portadores da doença, que se queixavam de que não tinham espaço para falar sobre sua vida sexual

 13/04/2022 - Publicado há 3 meses
A saúde sexual é afetada pelos próprios sintomas, por exemplo, a rigidez muscular, a dificuldade de mobilidade e o tremor – Foto: Flickr

A Rede Amparo, projeto do Departamento de Fisioterapia da Faculdade de Medicina da USP, lançou uma nova campanha, Sexo com Parkinson: Precisamos Falar Sobre Isso, tema de uma grande pesquisa nacional. A professora Maria Elisa Pimentel Piemonte, do Departamento de Fonoaudiologia, Fisioterapia e Terapia Ocupacional da FMUSP e do Centro de Pesquisa, Inovação e Difusão em Neuromatemática (Cepid Neuromat), discorre sobre a importância da saúde sexual em entrevista ao Jornal da USP no Ar 1ª Edição.

De acordo com a professora, a Organização Mundial da Saúde (OMS) e a ciência de forma geral têm chamado atenção para isso: “Alguns artigos muito provocativos têm sido trazidos ao público no sentido do porquê os recursos para financiamento em pesquisa em saúde sexual são limitados, porque a quantidade de informação produzida não tem o crescimento esperado como outras áreas. Então, a Organização Mundial da Saúde, em 2019, antes da pandemia, chamou atenção para esse ponto, definindo saúde sexual como o estado de bem-estar físico, emocional, mental e social relacionado à saúde, que é direito de todo ser humano no mundo”.

Dopamina

Maria Elisa Pimentel Piemonte – Foto: Wikimedia Commons

A saúde sexual é afetada, primariamente, pela falta da dopamina. “Os estudos que investigam todas as áreas cerebrais e todos os neurotransmissores relacionados à saúde sexual apontam que os núcleos da base que é exatamente onde acontece a degeneração na doença de Parkinson e, consequentemente, a dopamina estão relacionados à função sexual. Função sexual principalmente dentro do domínio do desejo, dentro do domínio da recompensa. Então, primariamente, a doença afeta exatamente pela alteração na produção de dopaminas. Mas, secundariamente, a saúde sexual é afetada pelos próprios sintomas, por exemplo, a rigidez muscular, a dificuldade de mobilidade e o tremor interferem durante a atividade sexual, a depressão, a apatia e a redução da autoestima”, relata Maria.

A campanha foi pensada a partir de uma discussão que ocorreu em um projeto da instituição, a caravana Rede Amparo. A professora comenta que são realizadas rodas de conversa em viagens por todo o País: “Não é para nós falarmos, é muito mais para nós ouvirmos as pessoas com Parkinson por todo o Brasil, tentando identificar questões regionais. Dentro de uma roda de conversa em Macapá, no Amapá, esse assunto foi trazido inicialmente por homens e seguiu para uma grande discussão que também envolveu mulheres. Daí, a gente observou que, na verdade, era um tema latente, que eles não tinham espaço, não tinham uma escuta segura para falar sobre isso”.

O objetivo da campanha é expor que a saúde sexual também é fundamental para pessoas com Parkinson. “A gente precisa falar sobre isso, a gente precisa começar a treinar as equipes de saúde para terem espaço para isso. Eu sou fisioterapeuta, por exemplo, o quanto os fisioterapeutas, que estão prestando cuidado com as pessoas com Parkinson, incluem esse aspecto dentro das suas demandas? A rigidez de tronco, a rigidez pélvica, é uma das marcas da doença, os órgãos sexuais estão na região pélvica, então obviamente é importante você manter a mobilidade dessa região.”


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.