Setor de produção e abastecimento alimentício vive quadro caótico

Greve prolongada é a causa da desestabilização da indústria, que pode ter impactos na economia e no desemprego

jorusp

A indústria alimentícia brasileira soma 1 milhão e 600 mil empregos diretos, além de ser responsável por cerca de 10% do Produto Interno Bruto (PIB) do País. João Dornellas, presidente-executivo da Associação Brasileira das Indústrias de Alimentação (Abia), conta que, apesar de toda essa importância, o setor está completamente paralisado em decorrência da greve dos caminhoneiros, que gerou desestabilização na cadeia de produção e abastecimento.

Escassez de alimentos na Venezuela – Foto: Wikimedia Commons

Segundo Dornellas, houve grandes perdas devido à paralisação: foram descartados 300 milhões de litros de leite, gerando prejuízo de 1 bilhão de reais; mesmo número de aves que, somadas a até 20 milhões de suínos, têm recebido alimentação insuficiente, resultando na morte de cerca de 100 milhões de aves e na perda de cerca de 350 milhões de dólares em exportação; além disso, quase 200 plantas frigoríficas encontram-se paradas e mais de 234 mil trabalhadores com atividades suspensas. O reflexo de todo esse cenário, ainda segundo o presidente-executivo, será sentido dentro de pouco tempo, com um aumento na inflação devido à alta demanda e baixa oferta de produtos.

Apesar do caos vivido pela indústria, que reflete no desabastecimento de supermercados, Dornellas alerta para que os consumidores não criem pânico nem façam estoques de comida. Assim, evita-se um descontrole ainda maior nos preços, o que não traria nenhum benefício na atual situação.

Jornal da USP no Ar, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados, Faculdade de Medicina e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.

Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular. Você pode ouvir a entrevista completa no player acima.

Textos relacionados