Mineração de médio e de pequeno porte registra crescimento no Brasil

Giorgio de Tomi destaca a importância das pequenas e médias minerações, pois é dali que vai sair grande parte desses minerais fundamentais para a sociedade

 24/06/2021 - Publicado há 4 meses
Os títulos minerais são compostos 2% pelas grandes minerações, 11% pelas médias e 87% pelas micros e pequenas minerações – Foto: Cedida pelo pesquisador/Leandro Nascimento Lemos

 

Segundo dados da Agência Nacional de Mineração (ANM), durante o primeiro trimestre de 2021 o setor na região Norte do Brasil cresceu 15% em volume de produção: 270 milhões de toneladas e 95% de faturamento, equivalente a R$ 70 bilhões. Esse crescimento se deu principalmente nas minerações de pequeno e de médio porte.

“Temos uma situação em que existe uma demanda crescente de bens minerais no mundo inteiro e com restrições ambientais e dificuldades de operação da mineração de maneira geral”, contou ao Jornal da USP no Ar 1ª Edição  o professor Giorgio de Tomi, do Departamento de Engenharia de Minas e de Petróleo da Escola Politécnica da USP.  De acordo com o professor, há uma escassez de suprimento de matérias-primas minerais, em que se buscam alternativas que conciliem o atendimento da demanda desses suprimentos a uma visão de sustentabilidade e a uma operação responsável.

Segundo Tomi, em termos numéricos, os títulos minerais, uma autorização do governo federal para o aproveitamento do minério extraído, são compostos 2% pelas grandes minerações, 11% pelas médias e 87% pelas micros e pequenas minerações. Essa proporção não é a mesma para o volume de produção de títulos minerais, mas, em termos de títulos minerais é muito significativo. O professor destaca nesse ponto a necessidade de regulamentações que permitam o desenvolvimento sustentável das minerações de pequeno e de médio porte que a sociedade demanda.

O crescimento das minerações desse porte, no Brasil, ocorre principalmente na região Norte. O professor destaca a importância desse tipo de mineração, pois é dali que vai sair grande parte desses minerais fundamentais para a sociedade. A ANM publicou esta semana uma nova resolução, listando os minerais estratégicos do Brasil. Trata-se de minerais que são escassos, com grande taxa de importação ou com alta aplicação em produtos e processos de alta tecnologia. Para Tomi, esse movimento serve para encorajar as empresas a desenvolverem empreendimentos nessa área, mas também é uma articulação dos órgãos reguladores para viabilizar esse tipo de operação. 

Na visão do especialista, o principal desafio das pequenas e médias minerações é a adaptação para atender às demandas dos órgãos e da sociedade de forma efetiva. Esse é um movimento que vem acontecendo na mineração, de modo geral, e, agora, há uma pressão muito grande sobre a média e a pequena mineração nesse sentido.  Isoladamente, esses setores da mineração possuem dificuldade em incorporar esses Objetivos de Desenvolvimento Sustentável por conta dos recursos necessários para a sua implementação. Nesse ponto, Tomi ressalta a importância do trabalho em parceria do cooperativismo nesses tipos de mineração, para se organizar e conseguir fazer frente às demandas da sociedade. “Esse é o grande desafio do futuro da média e da pequena mineração”, conclui o professor.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.