Setor agropecuário também contribui para o aquecimento global

O motivo é a emissão do gás metano proveniente do processo de digestão de animais como bois e vacas

Por - Editorias: Atualidades, Rádio USP
Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

A atividade industrial, com suas usinas de energia a carvão, e os veículos movidos a combustíveis fósseis são apontados como os grandes vilões do aquecimento global. O que nem todos sabem, porém, é que o setor agropecuário também influi para o aquecimento da terra, como informou, em entrevista à Rádio USP, a professora Sílvia Helena Galvão de Miranda, da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq). Pesquisadora do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), ela disse que a pecuária é uma grande contribuinte de emissões de poluentes, devido principalmente ao processo digestivo – ao qual se deu o nome de fermentação entérica – que ocorre entre os herbívoros ruminantes e que produz metano (CH4) . O metano, um dos gases formadores do chamado efeito estufa,  também decorre da produção de dejetos por esses animais e de sua deposição nas pastagens.

Foto: Rodolfo Oliveira / AG. Pará via Fotos Públicas

De acordo com a professora Sílvia, poderia haver um controle e a redução dessas emissões se houvesse um melhor manejamento do sistema de pastejo, da qualidade da pastagem e do alimento consumido pelo animal.  Por isso, é importante instruir os pecuaristas no sentido de que os bovinos se alimentem com material de melhor qualidade, propiciando que engordem mais rapidamente, o que, por outro lado, reduziria o tempo necessário entre o nascimento e o abate.

No Brasil, ainda segundo a professora, a média de idade dos animais que vão para abate é muito elevada. Se esse intervalo fosse diminuído, haveria, em consequência, uma menor emissão de gases. Ela lembra ainda que uma das formas de melhorar a pastagem é adubá-la com fertilizantes, mas o uso de fertilizante nitrogenado também irá gerar a emissão de gases. É exatamente aí que entra a importância da pesquisa, para que se trabalhe “na atividade de extensão e assistência técnica, levando essas informações para o produtor de uma forma que consiga compreender os benefícios, de modo a ajudar o setor produtivo a absorver todo esse conhecimento sem prejudicar a sustentabilidade do setor”, destaca a professora Sílvia.
.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados