Sequelas da covid-19 requerem tratamento multidisciplinar

“Passamos de uma doença respiratória para uma infecção generalizada, que começa com o pulmão, mas não esquece nenhum pedacinho do nosso corpo”, afirma Linamara Rizzo Battistella

 13/08/2021 - Publicado há 4 meses
Mesmo sintomas menores, como a alteração do paladar, levam a um desconforto e acabam desencadeando um quadro de depressão e ansiedade – Fotomontagem: Freepik/Wikipedia

O alcance e os efeitos provocados no organismo pela covid-19 ainda não são totalmente conhecidos. Em alguns casos, mesmo curados do vírus, os pacientes têm sequelas graves que dificultam ainda mais o tratamento.

Segundo Linamara Rizzo Battistella, do Instituto de Medicina Física e Reabilitação (ImRea) do Hospital das Clínicas (HC) e professora titular de Fisiatria em Medicina Física e Reabilitação da Faculdade de Medicina (FM) da USP, o medo dos médicos ficou amplificado na ótica dos pacientes, que sofreram profundamente em todos os sistemas do organismo.

“Passamos de uma doença respiratória para uma infecção generalizada, que começa com o pulmão, mas não esquece nenhum pedacinho do nosso corpo”, afirma ao Jornal da USP no Ar 1ª Edição. Por isso, a professora explica que o tratamento após a internação deve ser feito de maneira multidisciplinar.

Linamara conta que acompanha pacientes que tiveram alta há um ano e cansaço, tontura, dor e dificuldade respiratória ainda persistem. Mesmo os sintomas menores, como a alteração do paladar, levam a um desconforto e acabam desencadeando um quadro de depressão e ansiedade. “Não adianta tratar a melhora do movimento se eu não tiver melhorando a concentração dele”, diz.

Ao todo, foram mais de 4 mil altas e 3 mil sobreviventes em condições adequadas. Segundo a professora, foram identificados 1.200 pacientes que precisavam de uma avaliação, mas nem todos se dispuseram. “Eles ainda estão muito traumatizados pelo estresse.” São 801 pacientes que se disponibilizaram e participam de uma pesquisa para avaliar a duração das sequelas. 

A recuperação é construída em três frentes: mobilidade, cognição e comunicação. Os médicos utilizam, por exemplo, terapias como a marcha assistida com suspensão de peso associada à realidade virtual e comando de voz, para estimular todas as frentes. Também são utilizadas tecnologias que avaliam com precisão a resposta dos pacientes a esses estímulos.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.