Semelhantes à frieira, lesões nos dedos das mãos e pés sugerem correlação com covid-19

Denise Miyamoto comenta sobre os “dedos de covid”, condição que afetou cerca de 38% das pessoas e que pode estar correlacionada com a infecção pelo vírus

 26/10/2021 - Publicado há 1 mês
Dentre os sintomas dos “dedos de covid”, ardor local, coceira, piora durante exposição ao frio, pequenas feridas, entre outros – Foto: Wikipédia/Jornal da USP

Cientistas britânicos demonstraram, em estudo recente, sintoma pós-covid-19 parecido com os da frieira que afeta os dedos das mãos e dos pés. Coloquialmente chamado de “dedos de covid”, a médica Denise Miyamoto, do Departamento de Dermatologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), explica ao Jornal da USP no Ar 1° Edição que se trata de lesão causada pelo próprio sistema imunológico do individuo e que foram registrados mais casos durante a primeira onda da pandemia.

“O que as evidências atuais sugerem é que seja uma resposta da imunidade de cada individuo ao vírus e talvez não seja uma manifestação causada pela infecção direta do vírus, tanto que ela aparece tardiamente, em cerca de duas a três semanas depois que a pessoa desenvolveu algum sintoma que sugira covid-19”, explica Denise. Ela destaca que ainda são necessários mais estudos para entender os efeitos que o coronavírus causa em cada indivíduo e que a condição da covid-19 pode ter manifestações cutâneas variáveis.

Pacientes jovens e saudáveis manifestam mais essas lesões e isso pode significar melhor evolução da covid-19. “Isso parece se relacionar com uma resposta imune eficaz no sentido de combater a multiplicação viral e essa inflamação leva à agressão dos vasos das extremidades e ao surgimento mais tardio dessas lesões”, comenta. Dentre os sintomas dos dedos de covid, ardor local, coceira, piora durante exposição ao frio, pequenas feridas, entre outros. “Também existem relatos de pessoas que não apresentam sintomas”, reforça.

De acordo com Denise, a condição cutânea não é rara e afetou aproximadamente 38% das pessoas com covid-19. “Muitos pacientes eram assintomáticos e não tinham feito nenhum teste, mas alguns indícios sugerem uma correlação entre a infecção pelo vírus e o surgimento das lesões dos dedos de covid”, comenta. Os tratamentos para a condição podem variar de acordo com a gravidade, já que na maioria dos casos houve recuperação espontânea. “É feito mais uma acompanhamento clínico”, destaca.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.