Seleções da Copa do Mundo revelam ondas migratórias

Colunista chama a atenção para “fenômeno multiétnico e multicultural” dos jogadores com origens diversas

  •  
  •  
  • 2
  •  
  •  

É cada vez mais comum que seleções nacionais de futebol exportem e importem jogadores. Na Copa do Mundo na Rússia, são contabilizados até 80 atletas que defendem uma equipe diferente do país onde nasceram.

Para o professor Guilherme Wisnik, da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da USP, isso é resultado de “um aumento grande da imigração no mundo, com os refugiados nas últimas décadas”.

“A Copa do Mundo traz à tona muito dessa diáspora, dessa divergência da Babel contemporânea”, avalia Wisnik. “Que aparece também na forma de preconceito racial”, acrescenta. “A gente sabe o quanto a direita francesa, alemã e de muitos países europeus sempre foi resistente à presença desses atletas em suas equipes nacionais.”

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  • 2
  •  
  •  

Textos relacionados