São Paulo tem mais 20 anos sem ônibus limpos

Projeto para substituir o uso de combustíveis fósseis na frota da cidade estava previsto para 2018

A expectativa de que a cidade de São Paulo tivesse uma frota de ônibus livre de combustíveis fósseis em 2018 não vai sair do papel. A intenção é que a meta fique para daqui a 20 anos.

O professor Paulo Saldiva aponta que o adiamento para cumprir a lei, sancionada em 2009, coloca em risco a saúde da população. “Trocamos saúde por dinheiro. Mas a saúde é paga por todos nós, enquanto dinheiro ganham alguns”, diz o colunista.

Se, por um lado, São Paulo é uma das cidades com maior número de ônibus no mundo, uma vantagem para quem precisa se locomover, por outro lado, os veículos representam uma fonte considerável de emissão de gases do efeito estufa e de partículas tóxicas para o ser humano. Saldiva lembra que os transportes atuais, movidos a diesel, poderiam ser substituídos por ônibus elétricos, híbridos ou movidos a biocombustível.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.