Sangue raro é defeito genético

Miriam Mendes Castanheira, do Hemocentro de Ribeirão Preto, explica que fenótipo Bombaim não é um tipo sanguíneo

 19/07/2017 - Publicado há 5 anos
Foto: Divulgação via Pixabay

Uma menina de Medellín, na Colômbia, de um ano e dois meses de idade, apresentava sangramento digestivo grave e precisava de transfusão de sangue urgente. E foi um cearense que fez a doação de sangue para a criança colombiana. O que chama a atenção é que tanto o doador quanto o receptor têm um problema raro de defeito genético, uma deficiência na formação do grupo sanguíneo do indivíduo. Os dois apresentam o fenótipo Bombaim. O problema foi detectado em Bombaim, cidade da Índia e, por isso, leva seu nome. Oficialmente, Bombaim é Mumbai.

Foi a primeira vez que aconteceu uma doação internacional de sangue raro no Brasil, segundo a Opas – Organização Pan-Americana de Saúde. A transfusão na menina colombiana foi feita na última quarta-feira, dia 12. A biomédica Miriam Mendes Castanheira, especialista em hemoterapia e banco de sangue, e que trabalha no Hemocentro de Ribeirão Preto, explica que o fenômeno é raro de acontecer. Segundo Miriam, a incidência do fenótipo Bombaim é de um caso para cada 1 milhão de pessoas na Europa. Ela chama a atenção para o fato de que muita gente classifica o fenômeno erroneamente como um novo tipo sanguíneo, o “hh”.

  Por Ferraz Junior


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.