Retórica incoerente com a realidade é estratégia do governo Bolsonaro

Segundo Pedro Luiz Côrtes, perante situações graves ou de crise, o governo tende a emitir declarações que contam uma versão diferente de algum fato ou minimizam o problema

 19/03/2021 - Publicado há 6 meses
No Ministério da Saúde, no início da pandemia, o presidente Jair Bolsonaro reduziu a covid-19 a uma gripe – Foto: Fotos públicas

Em entrevista ao Jornal da USP no Ar 1ª Edição, Pedro Luiz Côrtes, professor associado da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP e do Programa de Pós-Graduação em Ciência Ambiental do Instituto de Energia e Ambiente (IEE), discute a incoerência retórica do Ministério do Meio Ambiente, amplamente difundida pelo governo federal.

Segundo o professor, há sempre uma tentativa do Executivo de recriar o passado, modificando a realidade. Normalmente, perante situações graves ou de crise, o governo tende a emitir declarações que contam uma versão diferente de algum fato ou minimizam o problema: “Por exemplo, quando o governo colocou a culpa dos incêndios na Amazônia nas ONGs e várias vezes tentou-se vender a ideia de que quem colocava fogo eram os índios e caboclos, que isso fazia parte de um processo natural de plantio. Mas o que justificaria de um ano para o outro um crescimento ao redor de 25% e 30% das áreas queimadas?”.

A minimização é uma estratégia discursiva adotada pelo governo. No Ministério da Saúde, no início da pandemia, o presidente Jair Bolsonaro reduziu a covid-19 a uma gripe e, desde o ano passado, tem promovido aglomerações e desincentivado o uso de máscaras. No Ministério do Meio Ambiente, a estratégia se repetiu, quando a maior autoridade nacional minimizou a crise ambiental na Amazônia e no Pantanal. “Essa estratégia que a gente verifica no Ministério da Saúde não é exclusividade, porque também se verifica no Ministério do Meio Ambiente”, afirma Côrtes.

Para o especialista, o governo ainda pode mudar a retórica. É possível que, em alguns momentos, discorra de forma condizente com a realidade, mas a tendência é sempre de retorno à minimização ou à dissonância: “Acredito que poderá ocorrer mudança em termos retóricos, tendo em vista a pressão do governo Biden em relação à preservação da Amazônia. É provável que, em função dessas pressões, o presidente Bolsonaro mude a retórica, mas não que isso signifique uma mudança de atitude de fato, ou seja, ele muda hoje, mas amanhã volta aos velhos hábitos”.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.