Retomada do trabalho presencial requer protocolos para gestão da qualidade de vida

De acordo com Ana Cristina Limongi-França, existem muitas dissonâncias e nem todos os profissionais se sentem seguros para o retorno presencial, por isso é importante adotar protocolos de cuidado psicológico além do sanitário

 11/08/2021 - Publicado há 3 meses
O modelo híbrido representa uma nova modalidade de qualidade de vida virtual por combinar o âmbito presencial com o remoto

As dinâmicas de trabalho foram profundamente impactadas pela pandemia. Depois dos ajustes que foram necessários, como o home office, o momento agora é de retomada e trabalho híbrido. Um estudo do Núcleo de Gestão da Qualidade de Vida no Trabalho (GQVT-Insight) demonstra os novos desafios e cuidados com a qualidade de vida durante esse período.

Ana Cristina Limongi-França, professora da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) da USP e coordenadora do núcleo, conta que o modelo híbrido representa uma nova modalidade de qualidade de vida virtual por combinar o âmbito presencial com o remoto. “A gente está se conhecendo e conhecendo as novas realidades”, diz ao Jornal da USP no Ar 1ª Edição.

Inicialmente o estudo foi amplo e os questionários divulgados pelas redes sociais. Posteriormente, foi segmentado para professores. Segundo Ana, as principais descobertas estão relacionadas à sobrecarga de trabalho doméstico. Também foi identificado o orgulho de ter um professor na família, de modo que isso melhorou a qualidade de vida desses docentes, mesmo eles estando mais cansados. 

Na fase de transição e trabalho híbrido, a sobrecarga com tarefas domésticas se mantém e aparecem mais relatos sobre esgotamento e sobrecarga do trabalho como docente. “Outra questão que a gente observou é o medo da atividade presencial”, acrescenta a professora. 

Segundo ela, existem muitas dissonâncias e nem todos os profissionais estão seguros em relação ao retorno presencial. Por isso, é preciso “diferenciar os protocolos de orientação para a gestão da qualidade de vida”. “É preciso um cuidado para cada contexto”, afirma. Para Ana, esse cuidado não deve ser adotado apenas com a questão sanitária, mas também com as questões psicológicas e de produtividade.

A segunda fase do estudo está em desenvolvimento e será lançada em setembro para investigar os desafios do modelo híbrido. Os dados obtidos até agora podem ser encontrados no site www.nucleogqvt.com.br.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.