Reparação ambiental é lenta depois de um ano da tragédia de Brumadinho

Pedro Luiz Côrtes diz que dano ambiental é de difícil reparação, pois a lama se sobrepõe ao solo e dificulta o florescimento de vegetação

Completando um ano da tragédia de Brumadinho, neste dia 25 de janeiro, ainda há a permanência da devastação. São 249 mortos, 11 corpos não foram encontrados, os prejuízos, humanos e naturais, incontáveis. “O dano ambiental é muito mais persistente do que os danos pessoais, porque, no final, as famílias acabam absorvendo as perdas e a vida segue para aqueles que continuam. Porém, infelizmente, o dano ambiental é de difícil reparação, pois a lama se sobrepõe à camada de solo e dificulta qualquer florescimento de vegetação”, afirma Pedro Luiz Côrtes, professor da Escola de Comunicações e Artes (ECA) e do Instituto de Energia e Ambiente (IEE) da USP, em entrevista ao Jornal da USP no Ar.

Segundo o especialista, esse desastre evidenciou uma situação muito grave que ocorria em Minas Gerais e em outros Estados, como em duas barragens na zona norte de São Paulo que não possuem plano de contingência ou alarme sonoro para alerta de emergências. “Hoje, a Vale divulga que há uma central de monitoramento de barragens, após os desastres de Mariana e Brumadinho. Um detalhe é que o presidente afastado da empresa (Fábio Schvartsman) assumiu com a fala de ‘Mariana nunca mais’, e aí acontece Brumadinho”, lembra.

Foto: Romerito Pontes/Flickr-CC BY 2.0

Nesta semana, o Ministério Público de Minas denunciou 16 pessoas, entre executivos e funcionários da Vale e consultores da TÜV SÜD. Pedro Côrtes disse que estranhou a demora da denúncia, porque as causas estavam muito evidentes nos relatórios técnicos divulgados. Para ele, o receio era de que se chegasse a uma situação parecida com a tragédia de Mariana, em 2015, quando ninguém foi punido.

Côrtes lembra que o comportamento do governo Bolsonaro, em início de mandato, ficou bastante alheio à situação de Brumadinho, e depois propôs o endurecimento do licenciamento de barragens de rejeito, que acabou sendo aprovado pela Assembleia Legislativa de Minas, com um projeto que já existia. “Mas o que precisa ser feito é fiscalização. Não adianta ter lei se não fiscaliza, porque, depois que a tragédia acontece, você pode até punir os culpados, mas isso não vai fazer com que a situação volte ao que era antes”, declara Pedro Côrtes.

Ouça a entrevista completa no player acima.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. Busca aprofundar temas da atualidade de maior repercussão, além de apresentar pesquisas, grupos de estudos e especialistas da Universidade de São Paulo.
No ar de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.