Renato Janine comenta caso de fraudes em cotas da Unesp

Alunos se autodeclararam pardos ou negros, mas a Unesp não comprovou tal declaração. Alunos foram expulsos

Na última coluna do ano, Renato Janine Ribeiro comenta a expulsão de alunos da Universidade Estadual Paulista (Unesp) por terem fraudado o sistema de cotas. Eles se autodeclararam pretos ou pardos, mas essa declaração não foi comprovada pela comissão de verificação da universidade.

Janine aponta que, no Brasil, a discriminação sempre foi baseada pela aparência da pessoa e não pela origem étnica. Pode ocorrer um caso em que dois irmãos, sendo um branco e outro negro, de um sofrer discriminação por ser negro e o mesmo não ocorrer com o branco.

O professor destaca ainda que as cotas em universidades públicas são sociais, voltadas para alunos que estudaram o ensino médio em escolas públicas. As cotas para negros e pardos estão incluídas nessas cotas sociais como um subconjunto. “Se um negro estudou em escola particular, ele não vai ter direito à cota”, lembra o docente. Para o colunista, assim como fraudar a proveniência da escola pública é um erro, fraudar a cota étnica também é algo muito errado.

Ouça, no link acima, a íntegra da coluna Ética e Política.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.