Reflexão sobre atendimento do SUS garante aperfeiçoamento

“Só no Estado de São Paulo são cerca de 5 mil equipes de atenção básica”, conta Marco Akerman

Na atenção básica, o Brasil está entre os dez melhores países do mundo, de acordo com a Organização Mundial da Saúde. O procedimento é conhecido como a porta de entrada aos sistemas de saúde. Profissionais orientam sobre a prevenção de doenças, solucionam os possíveis casos de agravos e direcionam quadros mais graves para tratamentos superiores em complexidade. Segundo o docente da Faculdade de Saúde Pública (FSP) Marco Akerman, são cerca de 43 mil especialistas na área que precisam de constante avaliação e aperfeiçoamento.

Nesta terça-feira (10), professores da FSP revelarão os resultados da avaliação externa do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ), na região metropolitana de São Paulo. O último ciclo do PMAQ, abordado no evento, conta com o maior financiamento, já que é o mais abrangente. Pesquisadores produziram dados sobre todo o Brasil. “Só no Estado de São Paulo são cerca de 5 mil equipes de atenção básica”, conta Akerman ao Jornal da USP no Ar.

Avaliação básica é o caminho”, defende o especialista. O seminário abordará os “desmontes, resistências e compromissos” da saúde pública na região metropolitana de São Paulo. Dessa maneira, será possível entender por que algumas equipes não são contratualizadas, ou desistiram do processo avaliativo. Assim, os pesquisadores mapearão os objetivos dos gestores públicos.

Para Akerman, a reflexão das equipes sobre seu trabalho é fundamental para produzir mais atenção básica de saúde e estratégia de cuidado familiar com qualidade. No atual desenho do PMAQ, 30% dos recursos vêm dos municípios, que ficam sacrificados, já que a união tem maior capacidade financeira. A essas unidades federativas, o programa é vantajoso, uma vez que os classifica como urbano, rural ou rural remoto. Desse modo, é possível traçar políticas públicas em saúde com mais eficiência.

O PMAQ ganha nova cara com o acesso às bases de dados do Sistema Único de Saúde (SUS). O ciclo avaliativo do desempenho acontecerá quadrimestralmente. “Antes, era a cada dois ou três anos”, lembra o professor. “Gostaria que esse processo não só ocorresse sob uma lógica de financiamento, mas de reflexão sobre o cuidado”, afirma. Com o orçamento apertado, o governo busca maneiras de desvincular as verbas obrigatórias da Saúde.

A Faculdade de Saúde Pública, a USP Ribeirão e a Unesp organizam o livro Avaliação da Atenção Primária, Saúde no Brasil e Contribuições das Universidades. A expectativa é lançar o material no Congresso Brasileiro de Políticas em Saúde, que será em São Paulo, no Quadrilátero da Saúde, em julho de 2020.

Ouça a entrevista na íntegra no player acima.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. Busca aprofundar temas da atualidade de maior repercussão, além de apresentar pesquisas, grupos de estudos e especialistas da Universidade de São Paulo.
No ar de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.