Redesenho computacional é importante para economizar tempo e energia

Colunista afirma que computador, quando for específico para determinada função, passará a ser mais leve e potente

O tema da edição de hoje é o redesenho computacional. Para o professor Luli Radfahrer, o modelo do computador, com processador, armazenamento e que foi inventado por volta da década de 50, não mudou nos dias atuais. “O computador é extremamente ineficiente para as coisas que usamos, gasta muita energia e perde tempo, causando desperdício. É preciso mudar o modelo do computador, o que não é tão simples”, comenta.

A evolução do computador pode transformar várias coisas. Até um tempo atrás não existia nuvem, não existia internet das coisas. O professor ressalta que hoje há modelos diferentes de chips que podem gerar um computador mais rápido, por exemplo. “Quando deixarmos a ideia da máquina genérica para traz e tivermos máquinas mais específicas para reconhecimento de faces, para reconhecimento de voz, processamento de clima, de trânsito, todas essas máquinas serão muito mais leves e potentes”, acrescenta.

Ouça no link acima a íntegra da coluna Datacracia. Luli Radfahrer conversa com Mário Santi.


Datacracia
A coluna Datacracia, com o professor Luli Radfahrer, vai ao ar toda sexta-feira às 8h30, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e TV USP.

.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.