Reconhecimento de faces pode levar à invasão publicitária nas cidades

China alega que usará tecnologia em todo o seu território, mas colunista afirma que população precisa se mobilizar contra

A China alega que aplicará tecnologia de reconhecimento de faces em todo o seu território. O professor Luli Radfahrer argumenta que, embora não existam mais limites técnicos para o uso dessa tecnologia, esse tipo de equipamento não deveria ser usado. O problema, explica o professor, é que as companhias registram, armazenam e comparam esses dados, o que pode produzir uma invasão publicitária nos centros urbanos. “A solução é fazer uma mobilização social, fazer pressão política e não usar os aplicativos dessas empresas”, afirma o colunista.

Ouça, no link acima, a coluna Datacracia desta semana.

 

 

 

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  • 1
  •  
  •  
  •  
  •