Radiogaláxia mais distante da Terra dá pistas do início do Universo

Observada em estudo com participação brasileira, galáxia está a 12,4 bilhões de anos-luz da Terra

 

Radiogaláxia tem um buraco negro supermassivo em seu centro – Imagem: Nasa/CXC/SAO

Pesquisadores brasileiros, holandeses e britânicos revelaram ter descoberto a radiogaláxia mais distante da Terra, a 12,4 bilhões de anos-luz daqui. Os dados detectados são de uma época bem antiga, no inicio do Universo, quando ele era bem menor que agora – lembrando que todas as evidências nos mostram que o Universo está em expansão.

De acordo com o astrofísico do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG) da USP, todas as galáxias começam a se formar pequenas, e vão colidindo entre si – assim vão crescendo até atingir as massas e dimensões atuais. A radiação detectada das galáxias antigas se deve ao buraco negro supermassivo de alta rotação que há no centro dela.  É este objeto que emite quantidades imensas de radiação nas ondas de rádio do espectro eletromagnético, o que ainda não é bem explicado pelos astrônomos, considerando que, pelo que se acredita, buracos negros supermassivos não teriam se formado tão cedo no Universo.

O estudo foi publicado no periódico Monthly Notices of the Royal Astronomical Society no último mês de agosto.

Ouça mais detalhes na coluna Entender Estrelas, clicando no player acima.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.