Quimeras de órgãos humanos são aposta para filas de transplante no futuro

Lygia da Veiga Pereira, especialista em genética humana, comenta testes autorizados por governo japonês

O governo do Japão autorizou testes para a “confecção” de órgãos humanos em animais. Agora, é permitido que o resultado desses testes, chamados de quimeras, fique vivo por mais de 14 dias. Esse era o tempo limite autorizado anteriormente.

A técnica consiste em implantar células-tronco humanas em embriões de animais que apresentam algum tipo de modificação. Por exemplo: um camundongo, que não seria capaz de formar um fígado naturalmente, teria as células-tronco humanas implantadas nele. Assim, essas células-tronco formariam um fígado, que seria, então, geneticamente humano. As células-tronco usadas no teste japonês são chamadas de iPS.

Os cientistas japoneses acreditam que essa técnica será útil, no futuro, para ajudar na demanda das filas de transplante. A professora do Instituto de Biociências (IB) da USP, Lygia da Veiga Pereira, pondera essa afirmação. Ela acredita que somente daqui a 15 anos é que a técnica da quimera poderá ser, de fato, utilizada nos transplantes de órgãos humanos. 

A especialista também levanta algumas questões éticas sobre os resultados desse teste. Eticistas colocam como duvidosa a natureza humana dos órgãos fabricados pela técnica e, também, dizem ser perigosa a possibilidade de as células-tronco humanas gerarem outros tipos de células, como neurais e sexuais.

Ouça a reportagem completa no player acima.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.