Quantidade da vacina disponibilizada para grupo prioritário é insuficiente

Em nota técnica, Rede de Pesquisa Solidária alerta que alguns profissionais do grupo prioritário terão de ser selecionados na campanha de vacinação por insuficiência de doses

 20/01/2021 - Publicado há 2 anos

A Rede de Pesquisa Solidária divulgou, nesta semana, uma nota técnica que apresenta alguns pontos referentes à vacinação prioritária para os trabalhadores de saúde no Brasil. Em entrevista ao Jornal da USP no Ar 1ª Edição, o professor Mário Scheffer, do Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina da USP, discute algumas conclusões quanto à administração das vacinas.  

O Brasil iniciou a campanha de vacinação na segunda-feira, dia 18, e estima-se que há pelo menos 5 milhões de profissionais de saúde no País, segundo o professor. Seriam necessárias, portanto, 10 milhões de doses, seguindo esse cálculo, número abaixo dos 8 milhões de unidades iniciais previstas pelo Ministério da Saúde.  

Scheffer lembra que esses profissionais têm prioridade para serem vacinados, porque são eles que sustentam o funcionamento do serviço de saúde e acrescenta: “Ainda mais neste momento de descontrole da pandemia”. 

O professor destaca que dentro desse grupo numeroso devem ser considerados não só os médicos e enfermeiros, mas todos os trabalhadores dos diversos ramos do sistema de saúde. No entanto, considerando a escassez das doses, é necessário cautela ao planejar como será realizada a distribuição de vacinas e seguir alguns critérios objetivos. 

Como estratégia para contornar a insuficiência de doses e melhorar a organização, o grupo de pesquisadores da Rede de Pesquisa Solidária recomenda que haja um sistema de hierarquização de riscos para caracterizar os profissionais pelas atividades desempenhadas e, a partir do levantamento dessas informações, fazer ajustes e cronogramas. De acordo com a disponibilidade de mais unidades da vacina, as diretrizes seriam, então, atualizadas, diz Mário Scheffer. 

Para a execução eficaz da campanha de vacinação, os pesquisadores almejam que “as evidências científicas e os princípios de transparência e equidade possam guiar decisões concretas sobre as prioridades de vacinação”.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.