Protestos no Paquistão mostram intolerância religiosa

Partido de ultradireita liderou manifestações violentas contra absolvição de mulher condenada à morte

Na coluna desta semana, a professora Marilia Fiorillo comenta os graves protestos ocorrido no Paquistão na semana passada, em razão da Suprema Corte do país anular a pena de Asia Bibi, condenada à morte em 2010. Mãe de cinco filhos, Asia foi denunciada em 2009 por algumas mulheres que disseram que ela insultou o profeta Maomé durante uma discussão em Punjab.

Os protestos violentos aconteceram em diversas cidades do país, liderados pelo partido religioso de extrema direita, que exigia que ela fosse morta. A professora Marilia lembra que muitas pessoas são assassinadas no Paquistão por tomaram a defesa de acusados de blasfêmia. Segundo ela, o mais grave é que não há parâmetros para definir o que é blasfêmia.

A acusação contra Asia alegou que ela teria usado termos depreciativos para se referir ao islã, após colegas de trabalho não aceitarem dividir água de um mesmo recipiente por ela ser cristã.

 

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •