Proteção contra caxumba pode diminuir ao longo dos anos

Esper Kallás infectologista da Faculdade de Medicina alerta sobre a necessidade de imunização em adultos com a vacina tríplice viral

jorusp

A confirmação de que o atacante da seleção brasileira Richarlison estava com caxumba fez com que os demais jogadores e membros da delegação fossem vacinados. A imunização foi realizada logo após uma partida na Arena do Grêmio, em Porto Alegre, com a vacina tríplice viral, que protege contra sarampo, caxumba e rubéola. Funcionários do hotel e dos locais onde a seleção treinou foram orientados a procurar uma unidade de saúde para se vacinarem. O caso serviu de alerta sobre como adultos também estão suscetíveis a contrair o vírus, e, para discutir as causas disso, o Jornal da USP no Ar conversou com o professor Esper Kallás, do Departamento de Moléstias Infecciosas e Parasitárias da Faculdade de Medicina (FM) da USP.

A caxumba não é mais uma doença majoritariamente infantil. O especialista conta que “em locais onde há cobertura vacinal, casos em adultos passaram a ser mais comuns do que em crianças, porque a vacina contra a caxumba causa uma proteção muito boa, principalmente nessa faixa etária. Com o passar dos anos, ela vai perdendo a força, então, quando chega na idade de adulto jovem, uma parte da população deixa de estar protegida, o que faz com que presenciemos um número razoável de casos em adultos de até 30 anos”.

Caxumba – Arte: jornal.usp.br

Os procedimentos realizados pela equipe da seleção brasileira foram corretos, mas a carteira de vacinação do jogador deveria ter sido conferida antes, pois prevenir é a melhor solução. De acordo com Kallás, a grande preocupação se dá pelo rápido contágio: “A caxumba começa a ser transmitida para outra pessoa cinco dias antes dos sintomas começarem a se manifestar. E quando essa pessoa tem contato com outra não imunizada, as chances de ela também apresentar os sintomas de caxumba é de 31%. É por isso que as orientações dadas pela equipe da seleção foram corretas, embora um pouco tardias, já que o calendário vacinal de todos deveria ter sido checado antes e pode ter ocorrido a transmissão”.

O vírus da caxumba causa uma inflamação e incha as glândulas, fazendo o rosto ficar alargado. Esse é o sintoma mais comum, mas também pode se ter febre, mal-estar e dores pelo corpo.” O professor ressalta também que há particularidades nas ocorrências em homens e mulheres: “A notoriedade da caxumba é quando um indivíduo pega caxumba e ela ‘desce’, causando uma inflamação no testículo ou no epidídimo do homem. Para as mulheres, o vírus pode causar inflamações nas glândulas encontradas nos ovários e nas mamas. No mais, a caxumba pode afetar o pâncreas e, mais raramente, até o cérebro, provocando meningite ou encefalite, casos que são pouco comuns”.

A situação serve de alerta sobre a importância da imunização, que pode ser feita por meio da vacina tríplice viral, disponível na rede pública para todas as pessoas de até 49 anos. A orientação do imunologista e infectologista é de que as pessoas verifiquem sua situação vacinal, já que “a vacinação é a melhor forma de combater doenças virais, e as vacinas são muito eficientes. Em caso de dúvida, devem ser tomadas novamente, principalmente com os vários casos de sarampo registrados em todo o Brasil, particularmente em São Paulo”.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP, Faculdade de Medicina e Instituto de Estudos Avançados. Busca aprofundar temas da atualidade de maior repercussão, além de apresentar pesquisas, grupos de estudos e especialistas da Universidade de São Paulo.
No ar de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •