Proposta para orçamento de 2018 revela crise habitacional no Brasil

Segundo Raquel Rolnik, situação tende a se agravar e nenhuma alternativa é apresentada na atual situação

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Na coluna “Cidade Para Todos” desta semana, a professora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da USP Raquel Rolnik fala sobre o Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2018 (LDO), enviada pelo governo federal para a Câmara dos Deputados no final de agosto deste ano.

Raquel examina particularmente o caso do Ministério das Cidades, que terá uma redução de 86% em seu orçamento para o ano seguinte, caso a LDO seja aprovada. Ela informa que o item Moradia Digna, “destinado para habitação de baixa renda, tanto para investimento em urbanização de favelas como para subsídio para o programa Minha Casa Minha Vida faixa 1 (faixa de renda mais baixa)”_, terá um total de recursos para o ano de 2018 “igual a zero”.

Ela considera a proposta como algo “muito grave”, alertando para o fato de o Brasil estar vivendo “uma crise de moradia que tende a se agravar, na medida em que os indicadores de desemprego ainda são bastante altos”.  A colunista acrescenta que “nenhuma alternativa se apresenta diante dessa situação”.

Confira o áudio da coluna “Cidade Para Todos”, acima.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail