Projeto de lei propõe avaliação de depressão pós-parto

Gestantes e mães de recém-nascidos passariam por avaliação para detecção do problema e posterior atendimento psicológico

 

Uma linha muito tênue diferencia a depressão pós-parto de outras doenças, como o baby blues ou melancolia pós-parto. Quem apresenta o problema costuma ter humor deprimido, perda de prazer nas atividades, alteração de sono e do apetite, dificuldade de concentração e para tomar decisões. Esses sintomas, que se iniciam no período de puerpério e deveriam sumir, perduram por muito tempo. Normalmente, essa mãe já apresentou quadro depressivo anteriormente; além disso, fatores externos podem contribuir para a alteração como: gravidez de risco, percepção de baixo suporte social e conflito conjugal, entre outros problemas.

Tânia Lucci, psicóloga especializada em Pesquisa do Departamento de Psicologia Experimental do Instituto de Psicologia da USP, aprova o projeto de lei em tramitação no Senado e já sugeria, durante seu mestrado e doutorado, um acompanhamento dessas gestantes. Ouça no player acima a íntegra da matéria.

Veja também:

Grupo da USP desenvolve aplicativo para prevenir depressão materna

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.