Profilaxia pós-exposição a infecções sexualmente transmissíveis deve ser imediata

Após o contato, a medida de prevenção, a PEP, deve ser aplicada o mais rápido possível em local credenciado

  • 13
  •  
  •  
  •  
  •  

 

Foto: Marcos Santos/USP Imagens

No segundo boletim Pílula Farmacêutica desta semana, o tema abordado é a Profilaxia Pós-Exposição (PEP), uma medida de prevenção de urgência à infecção pelo HIV, hepatites virais e outras infecções sexualmente transmissíveis.

A PEP consiste em medicamentos antirretrovirais para reduzir o risco de contrair infecções. Este tratamento deve ser utilizado após qualquer situação em que exista o risco de contágio. “Entre eles estão violências sexuais, relação sexual desprotegida, rompimento da camisinha ou acidentes ocupacionais com instrumentos de perfil cortante e contato direto com material infectado.”

 

Especialistas advertem que, no caso de um possível contato com o HIV, o paciente deve procurar o quanto antes um serviço credenciado. “O primeiro atendimento é considerado de total urgência e o uso dos medicamentos deve acontecer o mais cedo possível.”

O boletim Pílula Farmacêutica é apresentado pelos alunos de graduação da Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP) da USP, com supervisão da professora Regina Célia Garcia de Andrade e trabalhos técnicos de Luiz Antonio Fontana.

Ouça acima, na íntegra, o boletim Pílula Farmacêutica.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  • 13
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados