Problemas no abastecimento de água poderão ocorrer em 2021

Pedro Luiz Côrtes explica relação do desmatamento da Amazônia com o encarecimento da energia elétrica e redução do nível de chuvas

 04/12/2020 - Publicado há 1 ano

O índice de desmatamento da Amazônia atingiu sua pior marca desde 2008, segundo dados desta semana do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), registrando um crescimento de 9,5% entre agosto de 2019 e julho de 2020. Além disso, esta semana houve a decisão da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) de, a partir de dezembro, adotar bandeira vermelha patamar 2 para a energia elétrica por conta do baixo nível de reservatórios de usinas hidroelétricas importantes.

Em entrevista ao Jornal da USP no Ar, Pedro Luiz Côrtes, professor da Escola de Comunicações e Artes (ECA) e do Programa de Pós-Graduação em Ciência Ambiental do Instituto de Energia e Ambiente (IEE) da USP, estabelece uma relação entre os eventos citados e dá um prognóstico para o próximo ano. Ele explica que os problemas de abastecimento estão diretamente ligados à questão ambiental, pois são ventos chamados “rios voadores” que trazem a umidade das regiões de floresta para a região central do País. Com o desmatamento, esse fluxo é interrompido, levando à redução do volume de chuvas na área e exigindo o maior uso de termelétricas, cuja energia é mais cara.

Outro fator que preocupa o especialista é que os níveis dos reservatórios que abastecem a Região Metropolitana de São Paulo estão mais baixos, inclusive o do Sistema Cantareira, que está em 31,7% – nível comparável a dezembro de 2013, que antecedeu a crise hídrica de 2014-2016. Ele conta que esse sistema não se recuperou depois da crise hídrica: “Antes, sua capacidade chegava a 80%. Hoje, mesmo contando com uma fonte adicional de água e um sistema comedido de uso, ele não consegue ultrapassar os 60%”.

Isso, somado a estiagens prolongadas ocorridas no Sul do País, afeta as represas do Estado de São Paulo, resultando em perspectivas não muito otimistas para o próximo ano. “É preciso considerar que já lidamos com as consequências e que os efeitos do desmatamento da Amazônia não vão cessar. Provavelmente já ultrapassamos o ponto de equilíbrio da floresta, a partir do qual a floresta não consegue mais se recuperar da degradação sofrida. Com isso, continuaremos observando a redução dos níveis dos reservatórios e continuaremos tendo o predomínio da bandeira vermelha”, indica o professor.

Além disso, a região Sudeste sofrerá com os impactos do fenômeno La Niña pelo menos até a metade de 2021 e também a Fase Neutra, que vem em seguida, que prejudicam significativamente a recarga dos mananciais que abastecem São Paulo. Portanto, Côrtes prevê que problemas de abastecimento no próximo ano são possíveis.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.