Previsão meteorológica lida com o caos da atmosfera

“Há duas ou três décadas já se sabe que o nosso sistema atmosférico é caótico”, diz o professor Augusto José Pereira Filho

Por - Editorias: Atualidades, Rádio USP
Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

.
Quem, ao menos uma vez na vida, não xingou o meteorologista de plantão depois de ouvir uma previsão do tempo que acabou se mostrando incorreta? Pois é, para muitas pessoas, os erros dos “homens (e das mulheres) do tempo” são maiores do que os acertos. Mas essa percepção é mesmo correta? O professor Augusto José Pereira Filho, do Departamento de Ciências Atmosféricas da USP, garante que não. Diz ele que as coisas têm mudado bastante, graças à evolução da meteorologia nas últimas décadas, motivada pelo aperfeiçoamento dos sistemas de sensoreamento (satélites, radares e equipamentos mais acurados) e pelos avanços  dos processamentos computacionais.

Foto: Divulgação/Climatempo

“Então, a previsão do tempo hoje, de um dia para outro, tem um nível de acerto muito alto, mas há aspectos que ainda não são muito bem previstos, em particular aqueles que chamamos de escala local, que dependem de informações muito específicas e que não estão à disposição”, explica. É preciso saber também que a meteorologia é uma atividade cooperativa, pois “todos os países têm sistemas de medição das variáveis meteorológicas, como temperatura, umidade do ar, vento, variação solar, precipitação”. Esses dados são enviados para centros de previsão  mundial, nos EUA e Inglaterra, e inseridos em modelos que representam o sistema como um todo. A partir de uma previsão globalizada, os países usam essas informações para afiná-las com seus modelos regionais.

As previsões assim geradas são utilizadas pela mídia, por órgãos governamentais, pela iniciativa privada, encontrando aplicações em recursos hídricos, saúde pública, proteção ambiental, agricultura etc. Estamos falando de uma “atividade extensa e complexa, que demanda um conhecimento bastante profundo do sistema e das plataformas de monitoramento”. Torna-se claro, portanto, que a tecnologia e a inovação contribuem em muito para o desenvolvimento da meteorologia, mas, ainda assim, fazer o monitoramento do tempo e do espaço na atmosfera depende de variáveis como oceanos, continentes, geleiras – enfim, da biosfera como um todo.

 

Foto: Divulgação/Climatempo

“Há duas ou três décadas já se sabe que o nosso sistema atmosférico é caótico: uma pequena variação no estado da atmosfera produz uma situação completamente nova e diferente da anterior”, diz o professor Pereira Filho.  É por isso que não se pode atingir a máxima precisão, pois, mesmo com toda a tecnologia à disposição, não se pode descartar esse aspecto caótico da atmosfera. “É muito difícil trabalhar com uma solução em que, dada uma pequena variação, há uma grande mudança no sistema.” Isso significa que, mesmo sendo possível hoje, por meio de radar meteorológico, fazer uma boa previsão de curtíssimo prazo, ou seja,  de um dia para o outro, torna-se complicado realizar previsões de médio ou longo prazo – para o mês que vem, por exemplo – justamente por conta do imponderável que rege as regras atmosféricas.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados